O Programa de Repatriação (RERCT), cujo prazo para adesão chegou ao fim no último dia 31, poderá ter uma nova rodada. O projeto está ainda em discussão e deve ser apresentado dia 8 próximo pelo presidente do Senado Renan Calheiros. A ideia é aprovar o projeto ainda este ano. O prazo para adesão dentro da nova etapa do programa teria início em 1º de fevereiro de 2017. Nesta nova versão da Lei de Repatriação, parentes de políticos também poderiam ser anistiados, o que foi proibido na primeira fase.

O senador Romero Jucá explicou que políticos continuarão sendo proibidos de aderir ao programa. Entretanto, os parentes de políticos com recursos não declarados no exterior, desde que comprovem que os valores não possuem qualquer vínculo com o(s) político(s), terão a permissão para regularizá-los dentro da nova rodada. Seria o caso, por exemplo, de um irmão de um político com recursos no exterior oriundos de seus próprios negócios lícitos.

O caso de Claudia Cruz, esposa de Eduardo Cunha, não seria aceito dentro do programa, já que seus recursos são vinculados ao marido.

Saiba mais sobre a nova rodada

Parentes de políticos serão anistiados em nova Lei de Repatriação

Fonte: Folha de São Paulo