Um rio, ao atravessar uma metrópole ou grande cidade, pode participar de sua dinâmica basicamente de duas formas. A primeira seria engrandecer sua beleza, parte cultural e histórica. Nesta situação, não são poucos os exemplos: Rio Sena em Paris, Rio Sumida em Tokyo, o Chicago River, entre outros. A segunda seria uma linha “negra”, usada basicamente de transporte para fins industriais, ano após ano, que sacrifica suas margens para dar lugar a um mar de galpões, portos e outros estabelecimentos sem qualquer harmonia com o verde ou a qualidade de vida.

Durante décadas o Miami River, que flui pelo centro de Miami (Downtown), tem sido um clássico exemplo de “Rio do Trabalho”. Na verdade, Downtown Miami também tem este rótulo. Miami sempre foi conhecida por ser a cidade das belas praias e sol o ano todo. As regiões mais valorizadas tradicionalmente são próximas às praias. Apenas recentemente Downtown começou a ganhar empreendimentos residenciais e atrair mais turistas. Com isso o centro de Miami vem passando por um forte “Renascimento”. Há quem diga que Downtown é a nova Manhattan do Sul.  Neste novo cenário o Miami River começa a despertar a atenção de investidores visionários, que percebem em suas margens um potencial extremamente promissor.

 

Grandes Investidores apostam nas margens dos rios de Miami

Proejto One River Point às margens do Miami River – Fonte: One River Point/KAR Properties

 

Veja neste artigo por que os grandes investidores estão arriscando bilhões em projetos à beira de canais e rios em Miami – http://www.forbes.com/sites/petertaylor/2016/12/09/why-are-the-worlds-top-real-estate-investors-risking-billions-on-miamis-riverfront-renaissance/#51906c2a577d